Track: Microservices: Melhores Práticas e Padrões

Sala: Sala 01

Dia da semana: Segunda-feira

Arquiteturas de microservices são um dos assuntos mais presentes no mundo de desenvolvimento de software. Inicialmente restrito a poucas empresas pioneiras, atualmente os microservices vêm se tornando realidade para empresas dos mais variados tamanhos. Esta trilha explorará os diferentes estágios de adoção de microservices e os maiores desafios desta jornada trazendo exemplos reais, de especialistas no assunto.
Serão exploradas práticas e padrões da arquitetura de microservices em exemplos da vida real. As apresentações abordarão os problemas que a arquitetura de microservices resolve e também os desafios introduzidos por este paradigma.  As discussões não serão somente restritas a visão arquitetural, mas também das metodologias e organização de equipes necessárias para uma adoção bem sucedida.

Track Host: Tiago Dolphine

Senior Software Engineer at Red Hat

Membro do time de Business Automation na Red Hat, possui vasta experiência em arquiteturas distribuídas e escaláveis, modelagem e segurança em APIs e plataforma Java. É entusiasta em microservices e sistemas reativos. Mestre em Engenharia Elétrica com ênfase em Computação pela Unicamp e Bacharel em Ciência da Computação pela Universidade Estadual de Londrina.

10:50am - 11:35am

Sobrevivendo à escala: padrões para evoluir microserviços resilientes a falhas

Falhas vão acontecer. Todo o tempo. Essa é uma realidade inevitável para sistemas distribuídos que crescem constantemente em escala e a Nubank não é uma exceção.
Nos últimos anos temos investido cada vez mais em maneiras de tornar nossos sistemas mais resilientes. Um dia foi um DDoS interno. Em outro uma API de terceiro ficou fora do ar. Em outra deletaram um banco de produção. #quem-nunca.
Nesta palestra vamos explorar maneiras de lidar com falhas e evitar com que elas ocorram (da próxima vez), com casos reais que levaram às suas implementações. Venha conhecer técnicas como circuit breakers, sharding, vantagens e desvantagens de migrar fluxos para serem assíncronos, monitoramento, canary deployments, deploys contínuos e rollouts incrementais de funcionalidades.

Lucas Cavalcanti, Engenheiro de Software Líder no Nubank
Alexandre Freire, Diretor de Engenharia na Nubank

11:50am - 12:35pm

Construindo um API gateway para fugir do monolito: a estratégia da DigitalOcean

Confrontados com o desafio de quebrar o monolito interno da DigitalOcean em microserviços de forma gradual, consistente e sem down-time, surge a idéia de criar um API gateway, de forma a centralizar as funcionalidades compartilhadas e deixar cada novo microserviço isolado.
Nessa apresentação vamos discutir como o Gateway foi construído, as vantagens e desvantagens do processo, como a migração segue acontecendo e os próximos passos que o projeto tem pela frente.
O foco principal da palestra é apresentar como essa solução torna possível a migracão de serviços quando possível, na velocidade que cada equipe consiga seguir, ao invés de obrigar uma migração em massa, tornando assim o processo muito mais confiável e simples de ser seguido.

Maurício Linhares, Technical Lead at DigitalOcean

2:05pm - 2:50pm

A definir

Bruno Barin, Desenvolvedor de Software no iFood

3:05pm - 3:50pm

A definir

Maria Gomez, Head of Technology TW Spain at ThoughtWorks

5:20pm - 6:05pm

A definir

Edson Yanaga, Diretor de Experiência do Desenvolvimento na Red Hat

Tracks

Segunda-feira, 6 de maio

Terça-feira, 7 de maio

Quarta-feira, 8 de maio